Micropolítica em Deleuze e Guattari

Micropolítica em Deleuze e Guattari - Amauri Ferreira - Esponja Cultural

Contra a concepção tradicional de uma “evolução” das sociedades primitivas para as sociedades com Estado, Gilles Deleuze e Félix Guattari afirmam que a história universal é a das contingências, de encontros de fluxos descodificados e desterritorializados, isto é, de fluxos de desejo que são indissociáveis de um processo esquizofrênico de produção do inconsciente.

O capitalismo se apropria desse processo, reprimindo o desejo e o corpo sem órgãos através da axiomatização dos fluxos – sendo que a realização da axiomatização (produção para o mercado) é a função essencial dos Estados-nações modernos. A retomada do processo esquizofrênico de produção do real ocorre, portanto, pela subversão das conjugações axiomáticas capitalistas através das conexões moleculares e revolucionárias do desejo (nomadismo das minorias).

  • O curso é destinado a interessados em geral e não é necessário ter conhecimento prévio para participar.
  • Os alunos receberão por e-mail os áudios das aulas.
  • Cada aula é dividida em três partes: na primeira parte, exposição dos conceitos; na segunda parte, perguntas dos alunos; na terceira parte, exposição dos conceitos.

PROGRAMA

  • Aula 1: A história universal e os fluxos descodificados e desterritorializados de desejo. A sociedade primitiva e a codificação. A guerra na sociedade primitiva como meio para impedir a unificação do Estado.
  • Aula 2: A sociedade despótica e a sobrecodificação. O modelo-Trabalho do aparelho de Estado e a captura do nomadismo: estriagem do espaço-tempo e anulação dos espaços lisos.
  • Aula 3: Ciência régia e ciência nômade. A imagem do pensamento (e sua relação com o Estado) e o pensamento nômade.
  • Aula 4: A sociedade capitalista e a axiomatização. A relação entre o capitalismo e a esquizofrenia. As conexões revolucionárias do desejo contra as conjugações da axiomática. A máquina de guerra e a situação atual.
  • Aula 5: Os regimes de signos pré-significante, significante, contra-significante e pós-significante. O agenciamento da palavra de ordem. A pragmática como política da língua.
  • Aula 6: Micropolítica e investimentos de desejo no campo social (investimentos reacionários e investimentos revolucionários).
  • Aula 7: A cartografia das linhas que constituem indivíduos, grupos e sociedades: linha dura, linha flexível e linha de fuga. Os quatro perigos das três linhas: o Medo, a Clareza, o Poder e o Desgosto.
  • Aula 8: A produção de subjetividade capitalística e suas três funções: a culpabilização, a segregação e a infantilização. Os processos de singularização da subjetividade (revolução molecular) como recusa à produção de subjetividade capitalística.

Início: segunda-feira, 13 de Outubro
Duração: 8 aulas, de 13/10 a 01/12
Horário: às segundas, das 20h às 22h
Valor: 2 parcelas de R$ 160,00
Endereço: Mundo Pensante

Os campos com * são obrigatórios
Informe nome, e-mail e telefone para efetuar a inscrição
O pagamento da primeira parcela é feito no local do curso, na primeira aula.
Vagas limitadas.

Igor Kretly é ilustrador e diretor de arte, formado em Artes Visuais com ênfase em design pela PUC, estudante de Grego Antigo na Faculdade de Letras pela USP e faz matérias na filosofia e no Museu Paulista. Estudou direção para cinema, concept art, character concept e processamento de dados.Embora só se sinta desenvolto com os tradicionais inglês e espanhol, compreende também francês, italiano, já estudou alemão, norueguês, japonês, árabe, checo e grego ático na Universidade de São Paulo (USP).Fundador do Esponja Cultural e por falta de vergonha na cara, usa o Behance mesmo, porque o portfolio próprio está pífio e incompleto, já que ainda não terminou de programa-lo.

Leave a Reply